10 de dez de 2009

Twitter Novo.

Antes de explicar mais sobre este post, deixe que a imagem, fale por mim.

Como se pode ler nos 140 caracteres acima, eu abri uma nova conta no twitter. Agora quem quiser me da folow é @atrevidoemeio estava cansado de seguir milhares de pessoas que nunca vi na face da terra. Mas o bom do twitter é isso mesmo, é ficar ouvindo as pessoalidades de desconhecidos. Mas enfim, fechei o antigo, para que agora realmente quem sabe, eu possa ser ouvido, ou pelo menos poder acompanhar os tweets dos meus amigos com mais regularidade. Não vou dizer que daqui uns dias meu Twitter não esteja novamente enfestado de desconhecidos, mas com certeza, agora eu vou escolher melhor quem eu vou seguir no microblog, mais Mara do planeta. Gostaria de pedir que quem me lê e tiver twitter, poderia fazer o favor de me seguir que na medda do póssivel eu estarei seguindo você também. Aproveitando a deixa, gostaria de perguntar o que você acha verdadeiramente do twitter. Você acredita que ele é só uma modinha ou que relamente ele veio para ficar. Ou modinha ou não, me orgulho de participar da geração que viu o surgimento do microblog mais potente do mundo. E não se esqueçam de me dar um folow @atrevidoemeio. OBG.

@atrevidoemeio
Até +...

4 comentários:

FabioZen disse...

Bem legal véio.Sorte com o blog!

K∂riиє* Smith. disse...

eu so' sigo uma pessoa no twitter, ainda nao me "encontrei" nele.
hahahahha

Jeferson Assis disse...

Cara, eu entendo a tua raiva. Tenho twitter também, sigo 46 e sou seguido por 50.

Logo que criei, eu percebia que chegava inúmeros twitters de pessoas que eu não conhecia, achava que aquilo não ia fazer diferença na minha vida e acabei deletando elas.

Hoje, só sigo quem realmente tem algo a ver comigo.

Abraços.

Letícia disse...

Nhaaar, eu vo te seguir lá, óbvio.

Tipo, eu acho o twitter super legal e interessante apesar de quase sempre falarmos sozinhos. O legal mesmo é que eu acabei descobrindo que falar sozinha é mara. Tem gente que fala coisas tão legaiis *). Algumas vezes engraçadas, outras dramáticas, outras tristes, mas sempre palavras de quem sente.